Equívoco clássico: chamar um produto pelo nome da marca. Bombril, gillette, sucrilhos… são alguns exemplos de marcas que, de tão conhecidas, acabaram virando o próprio produto pela boca dos consumidores. #QuemNunca?

Um produto que quase ninguém sabe o verdadeiro nome é o Jet Ski - ou melhor, a moto aquática. Jet Ski é uma marca registrada pela Kawasaki Motores do Brasil, e não um tipo de veículo. Interessante, né?

A marca Jet Ski está registrada no Brasil desde 1985 perante o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e no mundo desde 1973. Mas você já imaginou se a Kawasaki não tivesse registrado a marca? Seria uma oportunidade e tanto para que todos os fabricantes de motos aquáticas se apropriassem do nome Jet Ski, o que geraria um baita prejuízo para a Kawasaki.

E o que queremos dizer com tudo isso? Que registrar uma marca é tão importante quanto colocar a mesma no mercado. Durante vários anos a Kawasaki foi a única a fabricar motos-aquáticas e só depois de pelo menos 10 anos é que surgiram outros modelos do veículo, provavelmente “copiados” do modelo original, que eram chamados pelo nome da marca simplesmente porque não havia outros produtos similares.

Você fabricaria um produto e daria o nome da marca de bandeja para os seus concorrentes? Pois saiba que, se você utiliza uma marca, mas não tem o registro no INPI, ela não é sua. Simples assim.

O que é o registro de uma marca e por que ele é importante


Registrar uma marca, seja ela conhecida apenas em seu bairro ou com produtos comercializados em todo o Brasil, é fundamental para garantir a exclusividade sobre a utilização do nome dos serviços ou produtos. Segundo a legislação, só é proprietário efetivamente de uma marca quem faz o registro no órgão responsável, o INPI.

O registro de marca é amparado pela lei 9.279/96 (Lei da Propriedade Industrial) e é diferente do CNPJ e do cadastro na Junta Comercial. O registro é o que garante a propriedade da marca. Se ela não tiver um “dono”, fica vulnerável no mercado e qualquer um pode se apropriar dela - basta fazer o registro da marca no INPI.

Então, mesmo que você seja microempreendedor e sua empresa seja pequena, é fundamental que faça o registro para que sua marca não seja copiada. Inclusive, caso alguém utilize a sua marca já registrada - seja mal intencionado ou não – você poderá enviar uma notificação extrajudicial solicitando à outra empresa que suspenda o uso imediatamente.

Benefícios de registrar a marca:

- Evita cópias, plágios ou usos indevidos. Após o registro da marca, você garante o direito de uso exclusivo em todo o território nacional, no seu segmento de mercado.

- O famoso “errezinho” pequeno (®) que aparece ao lado das marcas passa uma grande segurança e credibilidade ao público.

- A marca vira uma propriedade de fato. Você vai receber um certificado de registro e passa a ser o dono da marca. Inclusive pode deixá-la de herança.

- Com a marca registrada, você pode franquear o seu negócio e expandí-lo para todo o Brasil.

- Com o registro, sua marca pode ser licenciada, assim como a Disney licencia o personagem Mickey Mouse para centenas de produtos no mercado. 

São muitos os benefícios. Mas lembre-se: é preciso prorrogar o registro a cada 10 anos, garantindo o direito de uso da marca por toda a vida. Para dar início ao processo no INPI e acompanhar frequentemente o andamento do mesmo para não perder nenhum prazo importante, é necessário tempo e dedicação.

A perda de qualquer prazo ou pagamento de taxas pode levar ao arquivamento do processo, sendo necessário dar entrada em um novo pedido no INPI, além de ter que pagar as taxas novamente e repetir o procedimento. Então, guarde bem isso: se o registro de uma marca leva em média 12 meses para ser deferido ou indeferido pelo INPI, a perda de algum prazo pode levar ao dobro do tempo para que você tenha o certificado de registro em mãos.


Veja 3 razões para registrar sua marca antes que termine o ano

 

Razão #1 - Sim, você pode perder a sua marca em 2019!

E isso não é nenhuma história para boi dormir, não. Muitas empresas já perderam suas marcas simplesmente porque alguém registrou o nome primeiro no INPI - e o registro de marcas respeita o princípio da anterioridade, ou seja, é proprietário da marca aquele que entra com o processo primeiro.

E não pense que isso só acontece com empresas grandes. Não!

Tem muitos empresários mal intencionados que podem querer se apropriar do nome de uma marca antes que o ano termine - para não iniciar 2020 com alguma pendência. E então… pá! Vão lá e entram com o pedido de registro da marca antes que você.

Só para ilustrar: no ano passado, cerca de 540 pedidos de registro de marca foram encaminhados por dia no INPI. Por isso, você não pode perder tempo, deixando sua marca vulnerável e correndo o risco de perdê-la!

Razão #2 - Você começa o ano de 2020 com sua marca protegida!

Como vimos, há várias burocracias envolvidas no processo de registro de uma marca. Mas se você quiser encerrar o ano de 2019 e começar o ano novo com sua marca protegida, pode contar com a ajuda de uma empresa especialista no processo de registro de marcas.

Sem cobrar muito mais por isso, a empresa contratada pode realizar a pesquisa de viabilidade de registro, passar todas as orientações para você, efetuar o pagamento das taxas, acompanhar frequentemente o andamento do pedido e, quando deferido, realizar o envio do certificado de propriedade da marca.

Especialistas no registro de marca podem reduzir as possibilidade de um indeferimento por parte do INPI, pois garantem o cumprimento das regras da LPI (Lei de Propriedade Industrial).

Para registrar sua marca com a Consolide, o valor do investimento é único do início ao fim do processo. Os custos com taxas do INPI, análise de viabilidade da marca e honorários da empresa estarão embutidos em um valor fixo, que pode ser parcelado em até 12 vezes.

Qualquer problema que ocorra durante o processo será comunicado e, caso haja a necessidade de algum serviço diferente do especificado em contrato, será analisado com você e negociado à parte.

Os especialistas em registro de marca respondem prontamente os questionamentos que possam surgir (como a solicitação de novos documentos, por exemplo), realizam o pagamento das taxas dentro dos prazos e analisam imprevistos durante o processo. E o melhor: tudo é feito online e de forma segura.

 Razão #3 - Você pode focar em outras resoluções de ano novo

Com a marca protegida, já que você vai dar início ao registro de sua marca em 2019, você pode aproveitar o ano novo para colocar em prática outras resoluções importantes para o seu negócio.

Além de fazer um planejamento financeiro para 2020, você pode focar no fortalecimento de sua marca, através do planejamento de ações de marketing e comunicação. Traçar estratégias práticas voltadas à divulgação se seu negócio pode fazer a diferença no posicionamento da empresa no ano que vem.
----
Não deixe sua marca dando sopa por aí: registre ainda em 2019 e garanta o direito de uso exclusivo da marca em 2020!